Caro leitor

Este blog é a fiel expressão da minha visão de mundo.

Acredito na ideia do todo, onde todos somos um e que minhas atitudes, minha forma de pensar geram energias que refletem na existência do outro. Daí a importância de estarmos sempre na frequência do bem, dos bons pensamentos, vibrando sempre na frequência de Luz. Estamos em aprendizado e as falhas, as tentações, deslizes ao retrocesso estão conjugados ao nosso Ser. Devemos estar atentos aos nossos pensamentos, atitudes e tipo de energia que emitimos e expandimos para o Universo. Espero que os textos que escrevo e os de outros autores que aqui publico,possam acrescentar algo de construtivo para os que lerem.

(Hilda Stein)

Google+ Followers

sexta-feira, 31 de julho de 2015

A DIFÍCIL TAREFA DE MUDAR

Imagem net

Como é difícil lutar contra nossos impulsos, nossas atitudes, gestos, sentimentos negativos e mesquinhos.
Esta luta é travada no processo consciente da evolução.
Quando conseguimos olhar e reconhecer nossos próprios defeitos, tomamos a consciência de o quanto é duro mudar.
Ser um errante inconsciente dói bem menos. A dor de quem sabe que está cometendo um erro sem conseguir corrigi-lo é bem maior.
É como estar em total escuridão por muito tempo e passar bruscamente à claridade, difícil mantermos os olhos abertos.
A vontade de desistir e voltar do meio do caminho é grande, mas trata-se de um caminho sem volta. Ou você fica estagnado ou avança, mas volta não existe.
Por isso muitos afirmam que a vida é uma grande batalha.
E quando passamos a perceber nossos defeitos, todos os dias quando acordamos e tomamos consciência do nosso espaço, começamos uma árdua batalha com o nosso mais poderoso adversário que somos nós mesmos. Deparamos-nos com a dualidade, com os nossos dois lados, o positivo e o negativo.
E a batalha é dura e intensa para quem acredita que é possível mudar um pouquinho todos os dias.
E assim vamos vivendo, encarando uma fera por dia com a certeza de que muitas outras virão, mas que estaremos sempre com disposição para lutar e transformar toda a escuridão em Luz.
"Desenvolver força, coragem e paz interior demanda tempo. Não espere resultados rápidos e imediatos, sob o pretexto de que decidiu mudar. Cada ação que você executa permite que essa decisão se torne efetiva dentro de seu coração." ( Dalai Lama)

domingo, 26 de julho de 2015

MORTE X VIDA

Imagem Net


Morte para muitos é um tema assustador, traz desconforto, medo, uma avalanche de sentimentos negativos. A imaginação visualiza penumbra, tristeza, um cenário desagradável.
E quando se refere à vida, o sentimento é exatamente o oposto.
A verdade é que a vida é composta por uma sequencia de mortes.
O que não tem mais volta o que deixa de existir, denominamos de morte.
O que aconteceu há um segundo, já não existe mais, já passou.
Quando nascemos, entramos no processo de evolução sem retrocessos, todas as fases deixadas para trás, morrem.
Quando deixamos de ser bebê e passamos para uma fase de maior entendimento, houve a morte da fase anterior.
Quando a criança entra na fase adulta, a dificílima adolescência é preciso que a criança deixe de existir para que nasça o adulto, e assim sucessivamente.
Quando experimentamos o fogo da paixão, que achamos que jamais viveremos sem a realização do ardente desejo e quando este se realiza e cai na rotina, a paixão acaba e aí sem percebermos a morte está novamente presente.
É necessário que o inverno termine para que a primavera comece e o verão só acontece com a despedida da primavera e este quando cumpre o seu ciclo abre as portas para o outono e assim começa tudo de novo.
Imagine se ficássemos presos a uma única estação do ano ou a uma única fase da vida, se fossemos eternamente bebês.
Certamente a vida não teria nenhum sentido se não houvesse a morte.
A vida é um processo composto de ciclos, e estes estão presentes no micro e no macro.
Quando se trata do micro, não atentamos para a morte, mas quando pensamos no macro, em deixarmos o nosso corpo físico para que se cumpra o ciclo da vida, aí entramos em pânico.
Isso se deve à nossa cultura ocidental que está limitada ao plano material, não conseguimos enxergar para além do mundo físico, mas sabemos, ou melhor, intuímos que a vida é bem mais que esta breve passagem pelo corpo físico.
Enxergando todo este processo, chegaremos à conclusão de que a morte é tão necessária quanto à vida.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

LIÇÃO DA VIDA

imagem net


VENDE-SE TUDO
No mural do colégio da minha filha encontrei um cartaz escrito por uma mãe, avisando que estava vendendo tudo o que ela tinha em casa, pois a família voltaria a morar nos Estados Unidos. O cartaz dava o endereço do bazar e o horário de atendimento.
Outra mãe que estava ao meu lado comentou:
- Que coisa triste ter que vender tudo que se tem.
- Não é não, respondi, já passei por isso e é uma lição de vida.
Morei uma época no Chile e, na hora de voltar ao Brasil, trouxe comigo apenas umas poucas gravuras, uns livros e uns tapetes.
O resto, eu vendi tudo, e por tudo entenda-se: fogão, camas, louça, liquidificador, sala de jantar, aparelho de som, tudo o que compõe uma casa.
Como eu não conhecia muita gente na cidade, meu marido anunciou o bazar no seu local de trabalho e esperamos sentados que alguém a parecesse. Sentados no chão.
O sofá foi o primeiro que se foi. Às vezes o interfone tocava às 11 da noite, era alguém que tinha ouvido comentar que ali estava se vendendo uma estante.
Eu convidava pra subir e em dez minutos negociávamos um belo desconto. Além disso, eu sempre dava um abridor de vinho ou um saleiro de brinde, e lá se iam meus móveis e minhas bugigangas.
Um troço maluco: estranhos entravam na minha casa e desfalcavam o meu lar, que a cada dia ficava mais nu.
No penúltimo dia, ficamos somente com o colchão no chão, a geladeira e a tevê.
No último, só com o colchão, que o zelador comprou e, compreensivo, topou esperar a gente ir embora antes de buscar. Ganhou de brinde os travesseiros.
Guardo esses últimos dias no Chile como o momento da minha vida em que aprendi a irrelevância de quase tudo o que é material. Nunca mais me apeguei a nada que não tivesse valor afetivo.
Deixei de lado o zelo excessivo por coisas que foram feitas apenas para se usar, e não para se amar. Hoje me desfaço com facilidade de objetos, enquanto isto, que se torna cada vez mais difícil me afastar de pessoas que são ou foram importantes, não importa o tempo que elas estiveram presentes na minha vida.
Desejo para essa mulher, que está vendendo suas coisas para voltar aos Estados Unidos, a mesma emoção que tive na minha última noite no Chile. Dormimos no mesmo colchão, eu, meu marido e minha filha, que na época tinha dois anos de idade. As roupas já estavam guardadas nas malas. Fazia muito frio.
Ao acordarmos, uma vizinha simpática nos ofereceu o café da manhã, já que não tínhamos nem uma xícara em casa.
Fomos embora carregando apenas o que havíamos vivido levando as emoções todas: nenhuma recordação foi vendida ou entregue como brinde.
Não pagamos excesso de bagagem e chegamos aqui com outro tipo de leveza:
"Só possuímos na vida o que dela pudermos levar ao partir”. É melhor refletir e começar a trabalhar o DESAPEGO JÁ!
Não são as coisas que possuímos ou compramos que representam riqueza, plenitude e felicidade.
São os momentos especiais que não tem preço, as pessoas que estão próximas da gente e que nos amam, a saúde, os amigos que escolhemos, a nossa paz de espírito.
(Texto de Martha Medeiros)
Este texto teve o poder de me transportar para uma passagem da minha vida semelhante a esta.
Uma fase em que meu marido ficou desempregado e mesmo com um salário não muito baixo eu não conseguiria manter o padrão que tínhamos e tivemos que sair do apartamento alugado que morávamos em São Paulo com 211 m² todo mobiliado para morar na casa da minha sogra. Nós vendemos tudo o que tínhamos. Sentada no chão acarpetado, chorava compulsivamente vendo tudo meu indo embora, naquele momento eu fui ao fundo do poço, além de assistir tudo que tínhamos construído sendo levado, eu sabia que não teria nem mais casa e moraria de favor.
Eu mal podia imaginar que ali eu iniciava uma nova jornada, não eram só as coisas materiais que estavam indo embora, junto também foram o orgulho, a vaidade, o apego e a arrogância.
Naquele momento a vida iria me apresentar à humildade e os seus reais valores.
Um ano depois estávamos mudando da grande metrópole para uma cidadezinha esotérica na Chapada dos Veadeiros com 3.000 habitantes, Alto Paraíso de Goiás e recomeçaríamos a nossa vida, sem jantares, festas, teatros e a tudo que estávamos habituados.
Imagine, eu fui criada na zona Sul do Rio de Janeiro, mudei para São Paulo me adaptando super bem ao pique da cidade e teria que me adaptar em um lugar que eu jamais sonhei que existisse, com apenas 3.000 habitantes, sem shoppings, cinemas, lojas... Foi muito sofrimento para alguém extremamente materialista. E mais uma vez a vida me mostrou que o que temos de mais precioso, não está fora e sim dentro de cada um, que é a nossa essência, esta ninguém nos tira e independente do lugar que estivermos ela sempre estará presente. E foi nesta cidadezinha que fui apresentada à mãe natureza e passei a apreciar o canto dos pássaros, o azul do céu, a beleza das variadas vegetações. Ali eu aprendi que o belo está nas coisas mais simples da vida e conheci a verdadeira felicidade.
Hoje olho para trás e vejo como valeu a pena todo o sofrimento, foi como se eu tivesse realmente renascido para a verdadeira vida. E quando vejo pessoas tão apegadas às coisas materiais, percebo que ainda estão de olhos vendados e que sofrem muito desnecessariamente.
Sinto-me leve, pois o pesado fardo ficou lá no passado e agradeço tudo que tenho com a consciência de que nada é realmente meu a não ser o que trago dentro mim que é a minha essência.
E como um pássaro, voo livre sem me apegar com as coisas que não me pertencem.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

SERÁ QUE EXISTE VIDA EM OUTROS PLANETAS?


imagem net




Será que existe vida em outros planetas?
Esta discussão é muito antiga, uns inferem que sim outros que não.
Será que no Universo gigantesco onde existe cerca de 170 bilhões de galáxias no plano observável só exista vida aqui no planeta terra?
Eu acredito que sim. Vida como a nossa, só existe aqui neste planeta. A composição do ser humano é relacionada à composição da Terra.
Partindo da informação que a Terra possui 71% de água na sua superfície e o corpo humano é composto entre 70 e 75% de água e que encontramos na Terra oxigênio, hidrogênio, sódio, cálcio, ferro, magnésio, potássio, titânio, fósforo, carbono entre outros e que de todos os elementos citados, nós também os possuímos no nosso organismo, podemos concluir que a nossa vida está diretamente relacionada ao planeta em que vivemos, portanto não é possível existir seres com composição semelhante à nossa em outros planetas, mas acho possível que assim como somos filhos da Terra, outros planetas e estrelas possuam também seus filhos..
Existe uma lei cósmica onde tudo no Universo está relacionado e esta lei é regida por uma inteligência que é o grande mistério da vida.
E aí vem a pergunta:
Quem somos de onde viemos e para onde vamos?
Sócrates responderia esta pergunta de uma maneira clássica: “ só sei, que nada sei”.



sexta-feira, 17 de julho de 2015

ESTA SOU EU




Sou uma mulher comum em busca do autoconhecimento.
Uma mulher que vive eterno conflito interno, dividida entre a sombra e a luz.
Uma mulher que acha natural o diferente, que ama o simples e admira o sofisticado.
Uma mulher que ama sem fronteiras, sem bem entender o amor.
Sou a dualidade em pessoa que busca o equilíbrio do desequilíbrio.
Percorro as veredas da escrita sem dominar as letras.
Ando descalça entre espinhos, sentindo a brisa no meu rosto...
Sou aquela que canta sem saber cantar, que grita sem soltar a voz e que chora sem liberar as lágrimas.
Sou um ser em desenvolvimento revoltado e conformado, vivendo a eterna condição de aprendiz!
Eu sou simplesmente Hilda.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

RELAÇÃO SEXUAL

Imagem net



Este é um tema que para alguns ainda representa um tabu e para outros, total liberdade.
Um tema explorado, porém pouco conversado e orientado, principalmente para os jovens que iniciam a vida sexual cada vez mais cedo, sem a devida orientação.
Quando se aborda o assunto nas escolas, enfatiza-se riscos de doenças sexuais transmissíveis e gravidez prematura, indesejada e não programada. Estas orientações, sem dúvida alguma são importantes, mas o tema merece uma atenção maior. Hoje está tudo tão escancarado, banalizado, valores invertidos que não se têm mais noção de coisa alguma, quiçá a respeito de sexo.
O psicólogo americano Abraham Maslow, que atuou no séc. XX, classificou o sexo em sua pirâmide de hierarquia das necessidades humanas, como necessidade fisiológica básica, ocupando o mesmo patamar da respiração, fome, sede, sono, excreção e homeostase que significa a necessidade de equilíbrio interno do organismo.
Com esta classificação entendemos que o sexo está diretamente ligado ao nosso corpo físico e que um ato sexual se restringe ao campo físico. Sabemos que não estamos limitados à matéria e que a energia também rege o nosso corpo. As glândulas do nosso corpo são canais energéticos e as gônadas representam o campo de energia sexual.
Na hora do ato sexual, as energias se fundem formando um só corpo. Quando acontece esta fusão recebemos e doamos energia. Que tipo de energia queremos receber?
Concluímos então que o risco que se corre não é só de gravidez ou doenças sexualmente transmissíveis, vai muito além, corremos o risco de contaminação energética.
A gravidez e as doenças aparecem e serão resolvidas na medida do possível, mas no plano sutil as consequências são mais difíceis de serem diagnosticadas e tratadas.
Os preservativos impedem os riscos na matéria, mas no campo energético o preservativo tem que ser a consciência e a responsabilidade de cada um.

terça-feira, 14 de julho de 2015

INVERNO, MOMENTO DE REFLEXÃO

Imagem Net.


O dia 21 de junho nos brinda com a chegada do inverno.
Esta estação do ano oferece a oportunidade da introspecção, de aquietarmos a nossa mente e olharmos para dentro.
As feridas nesta época do ano doem mais e precisam de cuidados.
É um momento dolorido, porque nos dá a oportunidade de encararmos o que nos faz mal, e o que nos traz sofrimento desnecessário.
Não estou falando de pessoas e sim de conceitos e preceitos que carregamos como pesados fardos nos privando de sentir a leveza da vida.
As pessoas também não devem ficar de fora, aquelas que não acrescentam nada na nossa vida, muito pelo contrário, só nos puxam para baixo, devem ser evitadas, mesmo sendo do mesmo sangue, se não temos responsabilidade sobre elas deixem-nas ir.
Esta é a época da arrumação do interior da nossa casa, devemos nos livrar dos sentimentos negativos, das mágoas, dos medos, da insegurança. Refletir sobre o que é melhor para este momento da vida, sem deixar que falsos valores nos influenciem. É hora de enxergarmos quem realmente somos e o que necessariamente precisamos para atingir nossos objetivos, alcançar nossos sonhos e crescermos verdadeiramente.
É hora de nos alimentarmos de bons livros, boas músicas e de companhias que nos remetem às estrelas do conhecimento proporcionando a descoberta da nossa verdadeira essência, nos auxiliando na busca da almejada felicidade.
O inverno nos oferece a oportunidade da reflexão, do crescimento, nos preparando para o renascimento com a chegada da tão esperada e linda primavera!




segunda-feira, 13 de julho de 2015

A FORÇA DO OLHAR


Os olhos são a parte do corpo com maior grau de expressividade.
Um olhar é capaz de sorrir, fulminar, acalentar, seduzir, repreender, apoiar, discordar, concordar, enfim, a força do olhar para um bom observador é algo extraordinário.
Uma pessoa se revela através dos olhos, estes são capazes de revelar caráter, estado de espírito e até mesmo de saúde.
Especialistas em iridologia, que é o estudo através da análise da íris, são capazes de conhecer integralmente um indivíduo observando os seus olhos.
É muito comum pessoas com desvio de caráter ou muito tímidas desviarem o olhar, inconscientemente sabem que o olhar é a revelação da alma.
Um olhar possui magnetismo e é capaz de atrair e extrair toda a verdade do outro.
Recordo-me que minha mãe não precisava chamar nossa atenção (minha e das minhas irmãs) em público, bastava um olhar para que soubéssemos que estávamos extrapolando. E da mesma forma me relaciono com meus filhos. Um olhar economiza palavras.
Um olhar sedutor revela todo o desejo contido facilitando a conquista.
Um olhar amoroso ampara os fragilizados, enxuga as lágrimas dos carentes e conforta os desesperados.
Um olhar que expresse compaixão, generosidade, amor é capaz de amaciar o mais duro dos corações.
O olhar é capaz de revelar a força e a essência de cada ser.
O olhar é o mensageiro da alma.

segunda-feira, 6 de julho de 2015