Caro leitor

Este blog é a fiel expressão da minha visão de mundo.

Acredito na ideia do todo, onde todos somos um e que minhas atitudes, minha forma de pensar geram energias que refletem na existência do outro. Daí a importância de estarmos sempre na frequência do bem, dos bons pensamentos, vibrando sempre na frequência de Luz. Estamos em aprendizado e as falhas, as tentações, deslizes ao retrocesso estão conjugados ao nosso Ser. Devemos estar atentos aos nossos pensamentos, atitudes e tipo de energia que emitimos e expandimos para o Universo. Espero que os textos que escrevo e os de outros autores que aqui publico,possam acrescentar algo de construtivo para os que lerem.

(Hilda Stein)

Google+ Followers

sexta-feira, 27 de maio de 2016

ESTUPRO DOS SENTIDOS






Deplorável o momento de decadência em que estamos vivendo.
Aterrorizante a notícia de que uma jovem tem seu corpo e sua memória marcada por um pesadelo promovido por homens sem escrúpulos tomados por bichos da mais baixa espécie.
E se não bastasse tamanha barbaridade, completa o ciclo da indignação os comentários irônicos e críticas em torno da tragédia.
Este dolorido episódio que retrata a agressão sofrida constantemente por mulheres de todas as idades, até mesmo crianças e que nem sempre é divulgado, demanda reflexão e não teorização dos fatos. A teoria se limita a compreensão intelectual e a reflexão convida à transformação.
Atrelado ao conceito de consequências, o que pode se esperar de uma sociedade que pouco estimula o altruísmo e valoriza intensamente as coisas materiais e o corpo físico, deixando de lado valores preciosos como a boa conduta?
Qual o tipo de música que está sendo incentivada pela mídia nos últimos anos e consequentemente sendo aceita pela sociedade que permite que seja tocada e cantada dentro dos lares?
Podemos ilustrar a resposta com o Bonde do Tigrão, chamando as mulheres de cachorras.
Qual o vocabulário usado e aprovado pela sociedade dentro de suas casas?
Palavras de baixo escalão, o vulgo palavrão, xingamentos, total falta de respeito nos relacionamentos.
O que podemos esperar da conduta das pessoas que habitam um país que incentiva a montagem de um espetáculo denominado “ Macaquinhos” que tem como objetivo ampliar os conhecimentos do público sobre os novos conceitos da arte, onde os artistas se apresentam de forma deplorável, dispensando aqui maiores detalhes?
Não obstante, na câmara dos deputados palco de discussão sobre o destino do Ministério da Cultura é promovido o tal “ Beijaço” sob aplausos de incentivo ao protesto.
O estupro assunto em evidência nas redes sociais, serve de alerta para que toda a sociedade acorde e diga não a degradação dos valores, iniciando a mudança de atitude dentro de suas próprias casas.
É muito fácil, teorizar, acusar classes A e B, mas a responsabilidade é de todos, nós estamos contribuindo por meio da nossa conduta omissa para o estupro diário dos nossos sentidos, a medida que consentimos que músicas de baixo escalão toque no nosso ambiente, que a falta de respeito e inversão de valores entre nas nossas casas, podemos nos considerar parte responsável por tudo de ruim que acontece à nossa volta.
Enquanto estivermos olhando somente para o nosso umbigo, desprezando a ideia do Todo, valorizando demasiadamente as coisas materiais e encarando palavrões, músicas degradantes, inversão de valores e pequenas atitudes incorretas como normal, não sairemos do caos moral em que estamos vivendo.
A transformação está vinculada a atitude e não somente à teoria.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

SOMOS TODOS IGUAIS E FILHOS DA MESMA NAÇÃO


Estamos vivendo um momento histórico crítico na nossa política. E essa agitação que consome todos os brasileiros faz parte de todo esse processo de crescimento que estamos atravessando.

O preocupante é que lendo alguns livros de ficção, consigo enxergar o “imaginário” na atual realidade.

Quando se fala em implantação proposital de um vírus para que se prolifere entre as pessoas, a fim de que se atinja um ideal como narra Down Brown no livro “Inferno”, achamos a ideia absurda. Porém se analisarmos o momento que estamos vivendo, chegaremos a conclusão de que é possível e não se trata de ficção.

E o mais grave é que este vírus pode também ser mental, ou seja, a repetição de uma ideia como verdadeira multiplicada entre as pessoas, gerando uma crença absoluta.

Analisemos o contexto; será que alguém em sã consciência é capaz de realmente achar que a situação do país estava boa, com o desemprego atingindo a casa dos 11 milhões, com uma inflação não vista há muito tempo, com gente morrendo nas filas dos hospitais, a violência crescendo a cada dia, o ensino precário, os valores invertidos onde o aluno desacata o professor dentro de sala de aula, onde réus se tornam vítimas, será que isso é o nosso ideal de vida, é bom pra todo mundo?

A situação pede reflexão.

Acontece que propositalmente há muito tempo está sendo semeado na cabeça das pessoas o complexo de inferioridade, a vitimização.

E isto fica muito claro quando se lê nas redes sociais postagens que alertam que o governo que assumiu é de brancos e de homens, excluindo os negros e as mulheres. Isso é o cúmulo da mediocridade, não há nada mais piegas que esta afirmação, eis aí o vírus implantado da separatividade que é gravíssimo!!!!!

Esta está sendo a política implantada há 13 anos, o que é isso minha gente?

Isto não é política e sim tirania!

Nós somos parte de um todo, estamos todos no mesmo barco, somos filhos de uma mesma nação, não podemos alimentar a ideia da separatividade e sim da união!

Não nos cabe defender políticos e sim cobrar deles trabalho e resultado pelos impostos que pagamos!

Não cabe ter raiva do seu patrão por ele ter uma condição financeira melhor, porque é ele que paga o seu salário.

Não cabe torcer para que uma Rede Globo feche as portas, sendo esta empresa, assim como tantas outras, mantenedora de salários de milhares de família.

Será que se você, que torce pelo fim da emissora, dependesse do salário que ela paga para colocar comida na sua mesa, você torceria para ela fechar?

Este é um vírus cruel, o pensamento fracionado, o sentimento de inferioridade perante aqueles que conquistaram o sucesso.

Alimentar esta ideia mesquinha é somar para que esse ódio se prolifere e beneficie os mentores desta estratégia.

Fala-se em GOLPE, em afastamento desonesto da presidente por ela ser mulher, francamente!

Todos sabem da responsabilidade que é gerir uma empresa, um negócio, não seria diferente com um país. Se um gestor não tem capacidade para administrar uma empresa e sua gestão acarreta em prejuízos, ele tem que ser substituído e é isto que está acontecendo no país.

Não se trata de golpe e sim de uma necessária mudança de administração!

Será que todos estavam satisfeitos com a política que estava sendo implementada?

E é desesperador saber que muitas pessoas contaminadas pelo tal vírus, estão torcendo para que esta mudança não dê certo. Estamos no mesmo barco, temos que torcer pelo nosso país e não pelas pessoas que estão no poder. Temos que enxergar estas pessoas como instrumentos para que o país cresça.

Nós brasileiros temos que nos unir cobrar resultados dos que estão governando e não nos matarmos em discussão em defesa daqueles que assumiram um compromisso com a nação e não cumpriram.

O Gigante tem que despertar para os seus direitos e deveres, temos que cobrar, fiscalizar, não só as ações dos nossos governantes, mas as nossas também.

Vamos nos medicar contra este vírus da separatividade e pensar no todo, no Brasil.

Este é um momento de União!

Vamos cobrar mais dos nossos políticos sem defendê-los, os que não cumprirem com dignidade suas funções, sabemos que juntos temos força para substituí-los!

Vamos crescer juntos e fazer desse país motivo de orgulho e não de vergonha!

Este é o país do futuro, mas a profecia só se cumprirá com a ideia do TODO, com a consciência de que somos todos iguais e filhos da mesma nação!