Caro leitor

Este blog é a fiel expressão da minha visão de mundo.

Acredito na ideia do todo, onde todos somos um e que minhas atitudes, minha forma de pensar geram energias que refletem na existência do outro. Daí a importância de estarmos sempre na frequência do bem, dos bons pensamentos, vibrando sempre na frequência de Luz. Estamos em aprendizado e as falhas, as tentações, deslizes ao retrocesso estão conjugados ao nosso Ser. Devemos estar atentos aos nossos pensamentos, atitudes e tipo de energia que emitimos e expandimos para o Universo. Espero que os textos que escrevo e os de outros autores que aqui publico,possam acrescentar algo de construtivo para os que lerem.

(Hilda Stein)

Google+ Followers

terça-feira, 29 de setembro de 2015

A MULHER E AS FASES DA LUA

Imagem retirada da net.



Dedico este texto ao meu fiel leitor José da Cruz Ferreira por ter carinhosamente sugerido que eu escrevesse uma crônica abordando este tema.



Quando menina tal qual lua nova no seio da família se prepara para receber a luz do sol da grande vida que a espera.

Com o passar do tempo assim como a lua crescente recebe a iluminação necessária para o seu desenvolvimento e gradualmente vai deixando de lado as brincadeiras infantis, as bonecas e os gibis.

Linda nesta fase, inspira os poetas e cheia de esperança, deixa-se iluminar pelo grande sol da vida, acolhendo com o seu brilho prateado todos aqueles que fazem parte da sua trajetória.

A intensidade do seu brilho está representada pela sua força de gerar vidas, pela arte de superar as grandes provas apresentadas sem jamais desanimar.

E majestosamente segue em frente ocupando todos os espaços impostos pela vida, de filha, mãe, mulher, amante, economista, administradora, empresária, professora, cuidadora, enfim, com o seu brilho consegue iluminar todos os setores da sua vida.


E aos poucos se alia ao velho e bom amigo tempo e bem devagar assume a fase da lua minguante, procurando sua verdadeira essência retornando para o seio da sua família espiritual.

E deixa aqui na terra registrada sua brilhante trajetória de força, garra e determinação que é próprio da alma feminina, com sua magistral assinatura: MULHER

domingo, 20 de setembro de 2015

COMEMORANDO MAIS UMA PRIMAVERA!



Enfim, chego aos 52!
Encerrando mais um ciclo da minha vida.
Recomeçando mais uma primavera...
Trago em minha memória muitas lembranças, no meu rosto as marcas do tempo, nas minhas mãos os sinais da idade, na minha alma a vitalidade e a sede de viver intensamente o tempo que me resta sem semear sentimentos negativos que não têm o poder de me transportar às estrelas do esclarecimento.
Quero semear o que há de melhor dentro de mim, regar as flores do meu jardim, afastar as ervas daninhas e deixar florir a emoção de viver um dia após o outro sem ansiedade.
Mergulhar sem medo nas profundezas da minha capacidade de realizar os meus desejos.
E não permitir que o barco das incertezas aporte no cais da minha verdade, para que eu consiga navegar com segurança libertando-me de todas as amarras que me impeçam de alcançar a minha verdadeira essência.
Quero cultivar os anjos vestidos de pessoas que me amparam nas veredas que trilho e compartilhar a minha gratidão expandindo o amor que recebo de cada uma delas.
E afastar os sentimentos que não me tornam digna de prosseguir de cabeça erguida a minha trajetória.
Quero abraçar as oportunidades sem desperdiçar meu precioso tempo e perfumar com as flores do meu renascimento mais um ciclo da minha vida.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

AS FLORES

E para comemorar a chegada da estação das flores, publico uma linda poesia, escrita por minha amiga, sensível filósofa Elaine Pessoa Guardiola.
Esta poesia recebeu merecidamente o 1º lugar no concurso de poesias dos jogos da primavera da escola de filosofia Nova Acrópole.






Sinto o pulsar da vida em um botão
que espera a aurora da natureza para despertar.
Promessas de renascimento.

Aguarda, com total maestria e serenidade,
A hora certa de florir, o seu momento,
Sua verdade.

Percebo o cintilar das pétalas que se abrem
com uma inexplicável sutileza...
Como é amável o toque da natureza
que, qual maestro, afina as notas, até o final.

As flores exalam pureza
em perfume que as envolve,
qual elo, que enlaça até os pequenos seres alados...
pois que retrata seu arquétipo, modelo
Bordado em Dharma sobre um manto estrelado...

Perfume e beleza, reunidos em harmonia
pela Lei da Unicidade,
Esculpem flores e espalham sua magia.

Assim, a alma, em inquietude inconsciente,
guarda, qual flor, o seu segredo
de uma beleza ainda não revelada.

E, como sempre, impulsionada
para buscar um curso ascendente,
ela irá, num dia mágico, florir,
vencendo a dor, a ignorância e o medo.

Estende ao alto a graciosa antera,
gesto de gratidão ao Absoluto,
e oferece, ao mundo que o espera,
o pólen que há de recriar o mundo.

Essa é a lição que a flor entrega, não em vão,
ao homem que entendeu a que veio
E atendeu ao chamado da vida.
Espalhando beleza em seu seio,
propagando energia, servida em sua taça-coração,
qual vinho que perfuma e adorna os caminhos
onde marcha a humanidade.

Como tudo é cíclico, as flores
deixam seus corpos de matéria, ressecados,
e assim renascem, flores e homens, pois sua essência
é o aporte que entregam ao Sagrado.
Sua missão é de ser luz e de levar luz,
que flui e faz um corpo belo e perfumado,
na destemida e laboriosa missão da vida,
que abre flores e acorda homens com seu chamado.

Elaine Pessoa Guardiola



quarta-feira, 16 de setembro de 2015

O FLORISTA E A LINDA JOVEM NA JANELA

Imagem: El vendedor de flores, Diego Riviera.
Fonte da imagem: Diego Riviera Foundation




Todos os dias em uma pitoresca cidade, no final da tarde, um simpático florista vendia suas flores com muito entusiasmo:
- Flores, flores, belas flores de todas as cores para alegrar o coração!
- Flores, flores para despertar grandes amores!
- Flores, flores para afastar da vida os dissabores! - E assim o rapaz vendia suas lindas flores com muita simpatia e disposição.
Em uma tarde envolvido com suas vendas percebeu debruçada na janela de uma casa, uma linda jovem que o olhava com muita admiração, seu olhar era singelo e ao mesmo tempo vibrante. O florista admirou aquela beleza que disputava com suas flores, retribuiu o olhar e foi tomado por um mágico sentimento de atração por aquela linda jovem, entretanto não teve coragem de dirigir-lhe qualquer palavra ou gesto, apenas a olhava e a admirava.
E assim acontecia todas as tardes... O florista chegava ao local e olhava para a janela e a jovem estava lá, o olhando com a mesma intensidade, mas sem nada dizer.
Passaram-se dias, meses e a cena era sempre a mesma, mas o florista estava cada dia mais envolvido por aquele olhar.
Longe dali o florista não conseguia pensar em outra coisa, a não ser como conquistar a bela moça?
“Amanhã, vou ofertar-lhe flores e me declararei para ela!”
“E se não for nada disso?”
“E se ela rir de mim, achando-me um tolo?”
“Talvez, ela só olhe admirando as flores”. E nesta confusão mental, o florista seguia sem coragem de manifestar sua afeição para a linda jovem.
E todos os dias ao deixar o local, afirmava para si mesmo: “Amanhã tomarei coragem!”
E chegava no dia seguinte, nada acontecia além da troca de olhares...
Um belo dia, o florista preparou um lindo buquê e pensou: “ De hoje não passa, vou me declarar e se ela recusar, será um duro golpe, mas terei que sobreviver”.
E assim o acanhado florista se encheu de coragem e partiu para o seu local de trabalho, mas lamentavelmente quando chegou e olhou para a janela, esta não estava aberta.
Naquele dia, vendeu suas flores sem muito entusiasmo, encontrava-se ansioso e não conseguia desviar o olhar da janela, chegada a hora, partiu com seu coração apertado.
No dia seguinte retornou e a janela continuava fechada.
Os dias se passaram e a janela permaneceu fechada e o florista não tinha mais o mesmo entusiasmo, havia perdido a oportunidade de se declarar para o seu amor por falta de coragem.
A janela nunca mais abriu e aquele olhar ficou somente em sua lembrança.

REFLEXÃO:
Quantas janelas já deixamos que fechassem em nossa vida por falta de coragem de tomar uma atitude?
Quantas vezes deixamos para depois e perdemos a oportunidade de realizar algo importante?
Quantas palavras deixamos de dizer por falta de iniciativa?
Quantas vezes deixamos as suposições tomarem a frente e não reagimos?
Sendo a vida tão curta, será que vale a pena perdermos oportunidades por falta de coragem e atitude?
Pobre florista, nunca mais viu a bela moça, perdeu a oportunidade de expressar seus sentimentos e teve que conviver com o remorso e a sensação de incapacidade.
Fiquemos atentos para não perdermos as oportunidades que aparecem em nossa vida, seja financeira, profissional, afetiva, social, pessoal, porque depois que a janela se fechar, pode ser que nunca mais se abra!